0

allan juniorA Polícia Civil de Soledade, no Agreste da Paraíba, está investigando o desaparecimento de uma mulher e os dois filhos dela desde o dia 5 de junho deste ano, após a família registrar um Boletim de Ocorrência. De acordo com o delegado Seccional de Solânea, Diógenes Fernandes, a mulher e os filhos estão desaparecidos após saírem da cidade com um homem foragido da Justiça.

Conforme Diógenes Fernandes, a família de Ana Cristina de Oliveira, de 34 anos, foi até a polícia após ela deixar de manter contato com os parentes. Segundo relato da família à polícia, em maio deste ano a mulher levou o homem até a casa dos parentes e ele se apresentou como delegado da Polícia Federal.

Dias depois da mulher apresentar o homem à família, o casal foi embora da cidade com os filhos da mulher e, desde o dia 5 junho, os parentes não têm notícia nenhuma dela e não conseguem manter contato. “As informações que a gente recebeu é de que ele se apresentou à família da mulher, e levou ela e os dois filhos, um adolescente de 16 anos e uma adolescente de 14. Eles viajaram juntos com destino ignorado”, informou Diógenes Fernandes.

Conforme o delegado, apesar da família registrar o boletim, a polícia ainda não tem indícios de que o desaparecimento seja criminoso. “O desaparecimento ainda não está sendo tratado como criminoso porque, antes da família perder o contato com a mulher, a polícia fez análise de fotos e vídeos em redes sociais e descobriu que a mulher levou o homem e os filhos para visitar parentes dela no Rio de Janeiro, então não há ainda qualquer demonstração de ela e os filhos tenham sido levados forçados”.

Diógenes Fernandes explicou que o desespero da mãe de Ana Cristina começou dias depois que ela viajou com os filhos e o homem. “A mãe contou que desde o início desse mês eles desligaram os telefones, não retornam qualquer contato. Além disso, o desespero aumentou quando a família dela descobriu tudo sobre o homem, que até então tinha se apresentado como delegado da PF”.

“Infelizmente, a Polícia Civil não tem dúvidas de que o fim dessa história não será feliz, dado ao perfil criminoso desse homem com quem a mulher foi embora com os filhos dela. Ele é um estelionatário com excelência, um criminoso procurado em diversos lugares do país, que usa das pessoas para pôr em prática diversos crimes”, afirmou o delegado.

Mulher sumiu com homem foragido da Justiça

De acordo com o delegado Diógenes, o homem com quem Ana Cristina desapareceu com os filhos é Allan Júnior, de 28 anos, foragido da Justiça. O delegado relatou que o homem, natural do Paraná, é procurado por crimes em pelo menos 10 estados do país.

“Já estamos divulgando fotos da mulheres, dos filhos dela e do foragido em redes sociais e às polícias dos outros estados. O foco agora é a prisão dele, porque como o desaparecimento ainda não é considerado criminoso, se prendermos ele podemos localizar essa família ou entender o que de fato pode ter acontecido com ela”, destacou o delegado.

Foragido saiu da cadeia para encontro com mulher

Ainda conforme Diógenes Fernandes, Allan Júnior, que estava preso na Cadeia Pública de Solânea desde agosto de 2018, saiu do local no dia 17 de maio deste ano. O homem teria sido liberado para ir ao um encontro com a mulher em um motel da cidade. “As investigações revelaram que quem foi buscar ele em um carro em frente à cadeia foi a Ana Cristina, a mulher que agora está desaparecida com ele e os filhos”.

Após sair da cadeia para o encontro com a mulher, Allan Júnior não retornou. “No dia seguinte, a direção da cadeia comunicou à delegacia da cidade o desaparecimento do homem e todos os seus pertences, além de uma arma de fogo, uma pistola .40, pertencente ao sistema Penitenciário, que sumiu da cadeia”, contou o delegado.

Investigações revelaram regalias para preso em cadeia

Após a fuga de Allan Júnior da cadeia de Solânea, a Polícia Civil instaurou um inquérito policial que, segundo o delegado, foi concluído no dia 19 de junho deste ano. “As investigações foram concluídas com o indiciamento do diretor da cadeia por crime de prevaricação, e com o indiciamento também do agente penitenciário plantonista, por crime de corrupção passiva e crime de facilitação de fuga dolosa”, salientou.

Segundo Diógenes Fernandes, foi comprovado que, além da fuga ter sido criminosa, a saída de Allan Júnior da cadeia foi facilitada por um agente penitenciário plantonista. “A fuga dele teve apoio de quem tinha o dever de custodiar e ainda foi fornecido um celular para ele sob a remuneração de R$ 1 mil, além de outros valores pagos pelo preso aos agentes penitenciários”.

Ainda de acordo com o delegado, fotos de Allan Júnior dentro da cadeia comprovaram que ele vestia até as roupas dos agentes penitenciários. “Todos os envolvidos com as regalias foram afastados da Cadeia Pública de Solânea pelo Sistema Penitenciário, em maio deste ano, do diretor aos agentes, todos os envolvidos. Agora a cadeia está sob um comando interventor”, informou.

Share.

Leave A Reply